Brasília Amapá |
Manaus

‘Mais que amigos’: Sabugo e Leôncio entram na mira do MPAM após indícios de nepotismo em Urucurituba; veja na íntegra

Compartilhe
'Mais que amigos': Sabugo e Leôncio entram na mira do MPAM após indícios de nepotismo em Urucurituba; veja na íntegra

Amazonas – Uma investigação minuciosa conduzida pelo Ministério Público do Amazonas (MPAM) revelou um escândalo de nepotismo, improbidade administrativa e violação aos princípios da administração pública na prefeitura de Urucurituba. O prefeito José Claudenor de Castro Pontes, conhecido como “Sabugo”, e o vice-prefeito Leôncio Antônio Tundis Carvalho estão no centro dessa controvérsia, juntamente com outros envolvidos.

A concessão parcial da tutela ocorreu no curso de Ação Civil Pública (ACP) nº 0600435-63.2022.08.04.7600 proposta pelo Promotor de Justiça Kleyson Nascimento Barroso contemplando 55 servidores da administração pública local.

As investigações tiveram início em agosto de 2021 e descobriram que pelo menos 55 servidores municipais, com grau de parentesco de até o 3º grau, foram nomeados irregularmente para cargos diversos na administração pública de Urucurituba. Essa prática de nepotismo comprometeu a transparência, a imparcialidade e a ética na gestão pública, além de alocar recursos públicos de forma questionável.

Para corrigir essa grave situação, o MPAM ajuizou uma Ação Civil Pública, buscando a suspensão das nomeações e o pagamento de remuneração dos 55 servidores com parentesco ligados ao prefeito e ao vice-prefeito de Urucurituba.

A ação do Ministério Público obteve uma decisão liminar da Justiça que determinou a exoneração de quatro servidores nomeados ilegalmente pela prefeitura. Essa foi apenas a primeira vitória em uma luta mais ampla contra a prática de nepotismo e improbidade administrativa na cidade.

Agora, o MPAM deu um passo adiante ao ingressar com uma Ação Civil Pública com tutela de urgência contra o prefeito “Sabugo” e o vice-prefeito Leôncio Antônio Tundis Carvalho, visando responsabilizá-los pelos crimes de nepotismo, improbidade administrativa e violação aos princípios da administração pública. Esta ação reforça o compromisso do Ministério Público em defender a transparência, a legalidade e a ética na gestão pública, além de garantir que os recursos públicos sejam utilizados em benefício da comunidade de Urucurituba de maneira justa e imparcial.

Veja documento na íntegra: 


Siga-nos no Google News Portal CM7