Brasília Amapá |
Manaus

Sabugo é denunciado por ocultar patrimônio e direcionar licitações em benefício próprio

Compartilhe

Amazonas – O Ministério Público Eleitoral (MPE), apresentou uma denúncia contundente ao Tribunal Regional Eleitoral no Amazonas (TRE-AM), envolvendo o prefeito de Urucurituba, José Claudenor de Castro Pontes, conhecido como “Sabugo”.

As acusações são graves e apontam para a apresentação de documentação falsa durante a campanha eleitoral de 2020.

Segundo a denúncia do promotor eleitoral Kleyson Nascimento Barroso, Sabugo declarou à justiça eleitoral possuir apenas R$ 10 mil em conta corrente e R$ 5 mil em espécie como seus bens naquele ano.

Contudo, posteriormente, por meio das redes sociais, o prefeito afirmou ser proprietário de uma granja, um hotel e um terreno em Urucurituba. Estes fatos foram corroborados pelo próprio Sabugo em uma investigação da Polícia Federal sobre fraude em licitação, onde seu nome aparece como operador do esquema.

No entanto, surge uma reviravolta quando Sabugo alega que os bens mencionados nas redes sociais são “herança de seus pais” e estão registrados em nome da empresa Maria do Socorro de Castro Pontes, CNPJ 02.532.073/0001-50.

O estabelecimento Júlia Hotel não possui registro em nome de ninguém, apenas o nome fantasia “J C DE CASTRO PONTES”. A granja Vovó Júlia, por sua vez, está registrada em nome da irmã do prefeito, Maria Cláudia de Castro Pontes.

Uma visita do prefeito Sabugo à Granja Vovó Júlia em junho de 2021 chamou atenção, especialmente por ser um local que presta serviços para a prefeitura de Urucurituba, levantando suspeitas de direcionamento de licitações por parte da prefeitura.

José Claudenor de Castro Pontes defende que a fundação dessas empresas e do terreno alugado para a operadora Claro, que instalou uma antena no local, tinha o intuito de “ajudar muita gente” e expandir seus empreendimentos.

O desfecho dessa trama é o MPE requerendo a cassação imediata do mandato do prefeito Sabugo.

As acusações recaem sobre a omissão de seu patrimônio durante as eleições municipais de 2020 e o uso destas empresas em benefício próprio, incluindo o direcionamento de licitações provenientes da prefeitura de Urucurituba.

O desenrolar deste caso promete revelar os desdobramentos legais diante das acusações contra o prefeito Sabugo, enquanto a população aguarda por justiça e transparência no cenário político local.

Siga-nos no Google News Portal CM7