Manaus 32º
terça-feira - 21 de dezembro de 2021

Moradores de Iranduba revelam esquema do prefeito Augusto Ferraz e chamam seu secretário de ‘Gilberto do Cão’

Compartilhe

Amazonas – Augusto Ferraz (DEM-AM), prefeito de Iranduba (distante 31 km de Manaus), está sendo alvo de fortes críticas dos eleitores que tem reclamado da falta de trabalho na infraestrutura da cidade e também das demandas que não tem sido atendidas pelo seu secretário, Gilberto Alves de Deus. Além disso, denúncias que revelam indícios de esquema de corrupção se entranham cada vez mais sobre a dupla.

Segundo denúncia dos moradores de Iranduba, a dupla Augusto Ferraz e Gilberto Alves tem deixado a cidade em estado de calamidade estrutural, com ruas esburacadas e cheias de barro que se tornam lamaçais durante a época de chuvas. Além disso, diversos requerimentos feitos à prefeitura pelos próprios colegas secretários do município, vindo diretamente do povo, não são atendidas.

Campanha ruim

Segundo denúncias locais, a principal explicação para que o prefeito de Iranduba estivesse “poupando” com recursos para serem utilizados na própria cidade, é de que ele adquiriu uma grande dívida da campanha eleitoral com o valor de em torno de R$ 8 milhões.

Além disso, Augusto Ferraz tem uma ação de investigação eleitoral movida pelo seu adversário no último pleito Alair Cruz (PSC -AM), segundo colocado no último pleito municipal em Iranduba. A ação, que ainda não foi julgada, está recheada de evidências que ilustram abuso de poder econômico e supostas ações de compra de votos por influência de gente ligada ao prefeito.

Confira:

Secretário “operador”

Ainda segundo as denúncias, Augusto Ferraz não se envolve diretamente em ações ilícitas. Mas mantém os esquemas  de ‘arrecadação de dinheiro sujo’ através de seu secretário,  Gilberto Alves de Deus, que gerencia as ações como um “operador”.

Segundo os denunciantes, o poder de Ferraz dado a Gilberto foi tanto que há relatos do próprio secretário desautorizando pedidos do prefeito. Moradores de Iranduba chegaram a dar alcunhas ao secretário, o chamando de Gilberto do “Capeta”, “do Demo”, do “Diabo” e do “Cão”, porque o sobrenome ‘de Deus’ não combinava nada bem com a maldade que revelam as denúncias.

Um dos relato mais recentes foi da foi Secretaria Municipal de Cultura da cidade de Iranduba, Elizabeth De Souza Levy Vasconcelos, conhecida popularmente como ‘Bete Docinho’.

Bete e algumas lideranças da comunidade solicitaram serviços de infraestrutura para um ramal. O pedido foi até autorizado pelo prefeito, mas  em seguida foi desautorizado por por Gilberto.

Com isto, ‘Bete Docinho’ disparou vários áudios em grupos de mensagens instantâneas falando da sua indignação com a atual administração e diz que quem manda na cidade é ‘Gilberto do Cão’.

“Elegemos o prefeito e quem manda na prefeitura de Iranduba é o Gilberto, estou chateada e muito magoada com o prefeito Ferraz”, desabafou a secretaria. Chateada com o favoritismo do prefeito, ‘Bete Docinho’ diz que foi pessoalmente pedir uma retroescavadeira para realizar o serviço em um ramal da cidade, mas a ordem foi desobedecida porque, de acordo com ela, Iranduba é comandada por outra pessoa.

“Não tenho mais paciência de ficar me humilhando, por diversas vezes a ordem foi dada e não fizeram o serviço, tudo obedecendo às ordens do ‘Gilberto do Cão’, ele manda mais que todos”, concluiu a secretaria.

Além disso, Gilberto Alves é realocado chefe de diversas secretarias conforme os interesses de Ferraz, já tendo passado pela presidente da IMTTI (Instituto Municipal de Transporte e Trânsito de Iranduba), Secretaria do Meio-Ambiente, na Casa Civil e até na Guarda Municipal de Iranduba.

Isolamento

Além de ‘Bete Docinho’,  a Conselheira Municipal dos Direitos da Mulher de Iranduba, Francinete Maia, também denunciou a falta de apoio da gestão de Augusto Ferraz e também o despejo que o conselho sofreu. A denúncia feita no final de setembro de 2021, na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam) e resultou na reprovação de todos os deputados Estaduais sobre a atual gestão de Ferraz, incluindo o petista Sinésio Campos, que havia feito campanha para o atual prefeito de Iranduba.

Papelaria reformando escola

Segundo informações do certame publicado no Diários Oficial dos Municípios do Estado do Amazonas (DOM-AM), o prefeito de Iranduba José Augusto Ferraz de Lima firmou contrato com uma empresa que atua no setor de artigos de papelaria para realizar reforma na Escola Municipal Creuza Abess Farah.

Ferraz desembolsará o valor de R$ 1.242.011,10 (um milhão duzentos e quarenta e dois mil onze reais e dez centavos), pela execução da obra. A obra tem um prazo de 12 meses para sua conclusão.

O prefeito Ferraz iniciou sua trajetória no ramo empresarial (papelaria e material escolar), fundando a Distribuidora Ferraz, bem conhecida em Manaus em artigos de papelaria, material de escritório e escolar. A exposição é um indício muito forte de favorecimento de licitação, inclusive com o valor milionário podendo ser utilizado para construção de uma nova escola.

Confira:

o prefeito de Iranduba José Augusto Ferraz de Lima firmou contrato com uma empresa que atua no setor de artigos de papelaria para realizar reforma na Escola Municipal Creuza Abess Farah

Página 1

o prefeito de Iranduba José Augusto Ferraz de Lima firmou contrato com uma empresa que atua no setor de artigos de papelaria para realizar reforma na Escola Municipal Creuza Abess Farah

Página 2

o prefeito de Iranduba José Augusto Ferraz de Lima firmou contrato com uma empresa que atua no setor de artigos de papelaria para realizar reforma na Escola Municipal Creuza Abess Farah

Página 3

 

Dinheiro dos lotes de terra

Outro grande escândalo foi a cobrança de Gilberto Alves de Deus de empresas proprietárias de lotes de terra na região, querendo arrecadar cerca de R$ 50 milhões. Segundo o secretário, esse valor deixou de ser arrecadado por conta da falta de pagamento de ISS (Imposto Sobre Serviço) das incorporadoras nos últimos 5 meses.

No entanto, segundo a 1ª turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), julgou, por unanimidade, em 15 de setembro de 2020, que não há incidência de ISS sobre incorporação imobiliária. Ou seja, quando a construção do imóvel se der pelo incorporador em terreno próprio, pois nesta hipótese atua como construtor, e não prestador de serviço, dentro desta jurisprudência, não há como prestar serviços a si mesmo. A decisão vai diretamente contra a imposição do secretário Gilberto de Deus.

Outra revolta dos empresários seria o aumento abusivo e sem justificativa do valor da renovação do alvará, que saltou de R$ 4 mil para até R$ 2 milhões. Tanto o prefeito Augusto Ferraz quanto o secretário Gilberto de Deus, procuraram o diretor presidente do Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (IPAAM), Juliano Valente para solicitar o embargo de obras de incorporadoras naquele município. No entanto, após receber uma resposta negativa resolveram agir por conta própria embargando o andamento de obras nos terrenos.

Gilberto é apontado como o prefeito postiço no município, onde ele toma todas as decisões, inclusive supostamente decide sobre contratações e quem vencerá licitação.

Além das incorporadoras, o polo de cerâmica e até restaurantes estão sendo afetados com as medidas do secretário, que já começou a refletir também nos empregos. Um dos empresários de Iranduba relatou que já teve demitiu 15 trabalhadores de bem por conta do esquema de arrecadação criminoso. Mesmo com a grave crise econômica que o país passa, por conta da pandemia de Covid-19, que afetou o comércio e serviços, a ganância pelo poder e dinheiro ainda predominam.

Desabafo de ex-assessor

O ex-assessor Augusto Ferraz, Jaime Jean Santos, conhecido com DJ Melody, na polêmica que ocorreu em julho de 2021, usou as redes sociais oficiais do prefeito para criticar a conduta do gestor. No vídeo, Jaime denuncia que fez parte da equipe do prefeito por oito anos e que abriu mão da própria família para acompanhar o prefeito em suas agendas. Vale lembrar que Augusto Ferraz, antes de ser prefeito de Iranduba, já foi deputado estadual por dois mandatos consecutivos.

Veja vídeo:

 

Favores com Omar Aziz

Além da suposta dívida de 8 milhões com a última campanha, o motivo que explicaria a arrecadação predatória do secretário Gilberto de Deus, é fomentar financeiramente a campanha política visando a reeleição do senador Omar Aziz (PSD) em 2022, já que Omar foi nada menos que o padrinho político de Augusto Ferraz para ser alçado à prefeitura de Iranduba.

Augusto Ferraz em live com Omar Aziz

Augusto Ferraz em live com Omar Aziz – Foto: Divulgação

“Dedo podre” para escolha de prefeito

Iranduba parece sofrer o mal da síndrome do “dedo podre” para escolha do chefe do executivo municipal. Augusto Ferraz não é o primeiro prefeito envolvido em escândalos da má gestão de recursos e corrupção. Na gestão anterior, o ex-prefeito Francisco Gomes de Souza, mais conhecido por ‘Chico Doido’ (DEM), desviou em torno de 17,7 milhões dos cofres públicos que seriam pagos aos os servidores e entidades patronais ao Instituto de Previdência de Iranduba (Inprevi) de Iranduba entre maio de 2017 a junho de 2020.

 

Vitória Supermercados