Brasília Amapá |
Manaus

Deputado Amom Mandel diz que ‘Governo Lula usa indígenas como massa de manobra’

Compartilhe
Deputado Amom Mandel diz que Governo Lula usa indígenas como massa de manobra

Brasil – O deputado Federal Amom Mandel (Cidadania) publicou um artigo no último domingo (3) ao qual escreve duras críticas ao Governo Lula e a comunidade indígena, acusando integrantes do Partido dos Trabalhares (PT) de usarem a etnia como “massa de manobra”. Leia na íntegra:

Em época de eleição, florescem defensores dos povos indígenas do Norte ao Sul do país. Do presidente ao vereador, em comum as bravatas e vídeos sentimentais. Tais promessas, no entanto, muitas vezes se traduzem em retórica vazia, pois os interesses políticos frequentemente se sobrepõem às preocupações reais das comunidades indígenas, como o tal “pragmatismo de Lula”.

Conflitos fundiários, exploração de recursos naturais, negligência na saúde e educação, exposição às mudanças climáticas e discriminação são problemas que atravessam fronteiras geográficas e jogam o Brasil em direção ao vexame internacional e ao descumprimento de tratados. Enquanto isso, escondido no cantinho do Brasil, grita há meses o prefeito de uma pequena cidade ao Norte do Amazonas: São Gabriel da Cachoeira, o município “mais indígena do Brasil”.

“Não nos representa” e “me mandou calar a boca” são as frases de Clóvis “Curubão”, como é conhecido o prefeito da cidade, quando questionado sobre Sonia Guajajara, ministra dos Povos Indígenas do Brasil.

Sendo ele mesmo indígena e filiado ao partido do presidente da República, embora suas críticas não sejam unânimes e carreguem certa carga de polêmica local, fica ainda mais evidente um fato relevante por trás de todo o marketing do governo federal: Sonia Guajajara não representa os indígenas na sua totalidade e, pior ainda, mesmo que quisesse representar, não teria condições políticas para tal.

O problema é claro: o governo federal, depois de todo o alarido recente, não deu todas as condições possíveis para que o ministério de Guajajara operasse com máxima eficiência.

Embora externe preocupação na defesa das comunidades indígenas e originárias, ao longo de 8 meses de gestão, nas entranhas da máquina estatal, o que se vê ainda são órgãos em descompasso e a burocracia funcionando, tal como Lula tanto criticou em Bolsonaro, para deixar crianças e mulheres indígenas na fome e na pobreza.

Ações judiciais e investigações iniciadas no pico da pandemia mostram, hoje, a repetição dos erros que mancharam a imagem do Brasil internacionalmente. Ao passo que órgãos, como a Procuradoria Geral Federal, utilizam a mentira e a omissão como subterfúgio na Justiça Federal, beirando a fraude processual. Diferentes processos, em tramitação no Amazonas, retratam fatos como a falta de alimentos para indígenas por “dificuldades” na entrega.

TRADIÇÃO DO PARTIDO
As ações judiciais comprovam ainda, em levantamento de 2013, encomendado pelo próprio Ministério do Desenvolvimento Social, que a alta cúpula do PT tinha conhecimento da gestão inadequada do Bolsa Família nas comunidades indígenas. Se não tinha, não conhece o próprio governo e sua história.

Aliás, ao falar em história, parece ter se tornado tradição do partido não ter as ações de governo alinhadas aos discursos presidenciais. Neste ano, o Congresso Nacional aprovou a modificação da estrutura dos ministérios do Meio Ambiente e dos Povos Indígenas, reprimindo a atuação das referidas pastas não só com o apoio, mas também com a comemoração de congressistas petistas. O resultado foi uma reação negativa de Guajajara, que se disse “frustrada” com a inércia do governo diante da situação.

Um exemplo recente que amplifica a urgência de todos esses problemas é o relatório “Violência Contra os Povos Indígenas do Brasil”, elaborado pelo Cimi (Conselho Indigenista Missionário). De acordo com o documento, 149 crianças indígenas, de 0 a 5 anos, morreram em 2021 em Roraima, vítimas da fome e do abandono. Essa realidade destaca a necessidade de ações efetivas e contínuas para proteger os povos indígenas, independentemente de sua localização geográfica.

O respeito aos direitos indígenas, a consulta prévia e o comprometimento ativo com suas necessidades devem ser a base para ações governamentais efetivas, contínuas e sustentáveis. Os povos indígenas não podem ser usados como moeda de troca política. Devem ser tratados com respeito e dignidade. Do contrário, sobra só o estelionato eleitoral.

Créditos: Poder360

Siga-nos no Google News Portal CM7