Brasília Amapá |
Manaus

Caso Flávio: réus pelo homicídio do engenheiro são ouvidos na Audiência de Instrução nesta quarta-feira (1º)

Compartilhe

Manaus (AM) – A Audiência de Instrução do caso Flávio Rodrigues, engenheiro que foi assassinado em 29 de setembro de 2019 após uma festa na casa de Alejandro Molina Valeiko, foi retomada na manhã desta quarta-feira (1º). Alejandro Molina Valeiko é filho da ex-primeira dama de Manaus, Elisabeth Valeiko, e é acusado de ter participação no homicídio do engenheiro.

Na ocasião, Valeiko teria tido ajuda de funcionários da Prefeitura de Manaus, visto que seu padrasto, Arthur Virgílio Neto, estava no comando do Executivo Municipal e tinha grande influência na sociedade.

Na retomada, serão ouvidos os réus do caso: José Edvandro Martins de Souza Júnior; Mayc Vinícius Teixeira Parede; Alejandro Molina Valeiko; Paola Molina Valeiko e Elizeu da Paz de Souza. A audiência de instrução deverá prosseguir, ainda, nos dias 2 e 3 de setembro.

Caso Flávio

O homicídio do engenheiro Flávio Rodrigues dos Santos ocorreu no dia 29 de setembro de 2019, após uma festa na casa de Alejandro Molina Valeiko. Segundo a polícia, os amigos estavam na casa de Alejandro Valeiko bebendo e usando drogas. De repente, começou uma discussão, seguida de agressões com facas. O engenheiro foi esfaqueado e morreu.

Ainda de acordo com a polícia, Flávio Rodrigues foi encontrado morto no bairro Tarumã, na tarde de segunda-feira, 30 de setembro. O local onde estava o corpo fica próximo à casa de Alejandro.

De acordo com as investigações, o policial militar Elizeu da Paz de Souza, que estava lotado na Casa Militar da Prefeitura de Manaus e seria segurança de Alejandro, estava dirigindo um carro alugado da Prefeitura. A polícia diz que o PM Elizeu de Souza foi até o condomínio, colocou o corpo no carro da Prefeitura de Manaus e saiu do local da festa.

Lutador de MMA, Mayc Parede confessou sua participação no crime ao ser preso em 2019, alegando ser o culpado pelas facadas desferidas na vítima. Ele aparece em vídeos de segurança dando entrada no condomínio onde ocorreu o crime.

Alejandro cumpriu prisão temporária durante o inquérito policial, mas entrou com um recurso e conseguiu sair do presídio e ser monitorado por uma tornozeleira eletrônica. No entanto, atualmente o filho da ex-primeira dama não faz mais o uso de nenhum aparelho de monitoramento policial.


Siga-nos no Google News Portal CM7