Brasília Amapá |
Manaus

Milagre econômico: Milei faz Argentina atingir inflação alimentar de 0% pela 1ª vez em 30 anos

Compartilhe
Milagre econômico: Milei faz Argentina atingir inflação alimentar de 0% pela 1ª vez em 30 anos

Mundo – Javier Milei continua avançando na árdua tarefa de domar a inflação na Argentina, e os resultados começam a mostrar sinais promissores. Recentemente, pela primeira vez em três décadas, a inflação semanal em alimentos atingiu 0%, um marco significativo no combate à hiperinflação que afeta o país há anos. Os dados foram divulgados nesta segunda-feira (24/6) pelo site Libre Mercado, do artigo da jornalista

Desde que assumiu a presidência, Milei tem implementado uma série de medidas rigorosas para conter a inflação. Entre essas medidas estão o corte de gastos públicos, a manutenção do superávit fiscal, o fim da emissão monetária e o término dos controles de preços. Essas ações têm sido cruciais para controlar a inflação, que é um dos maiores problemas econômicos enfrentados pela Argentina.

Desaceleração da Inflação

De acordo com os dados oficiais mais recentes, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) argentino registrou um aumento mensal de 4,2% em maio de 2024. Esse número representa menos da metade do registrado no mês anterior (8,8%) e marca o quinto mês consecutivo de desaceleração dos preços. Essa é a inflação mensal mais baixa em mais de dois anos, um feito notável considerando que, ao assumir o cargo, Milei encontrou um IPC mensal de 25,5%.

Apesar da melhora significativa, a inflação anual ainda permanece alta, com uma taxa de variação de 276,4% em maio, uma leve redução em comparação aos 289,4% de abril, mas ainda assim um índice extremamente prejudicial para a população.

Inflação de Alimentos Zerada

Em um comunicado recente, Milei destacou um dado encorajador: pela primeira vez em 30 anos, a inflação semanal em alimentos foi de 0%. Esse dado foi confirmado pela consultora argentina Econometrica, que relatou que, na terceira semana de junho, os preços dos alimentos e bebidas não apresentaram variação, algo inédito desde a crise de 2002.

Embora essa estabilidade seja uma melhoria pontual, ela representa um grande alívio para os consumidores argentinos, que enfrentam uma “loucura” de preços semanais. Segundo Manuel Adorni, porta-voz do governo, a alta frequência da inflação obriga os comerciantes a ajustarem os preços constantemente, tornando a compra de itens básicos um desafio diário.

Perspectivas para o Futuro

A consultora Econometrica prevê que a inflação em alimentos e bebidas continuará a diminuir, esperando um índice de 3% para junho, em comparação aos 4,8% registrados em maio. No entanto, o índice geral de inflação pode sofrer um leve aumento para 5,2% em junho, devido à recomposição das tarifas de serviços públicos, que foram mantidas artificialmente baixas durante o governo anterior.

Desafios pela Frente

O governo de Javier Milei enfrenta o desafio de reverter as políticas tarifárias e cambiais populistas que marcaram as administrações anteriores. Durante o governo de Alberto Fernández, as tarifas cobradas dos consumidores cobriam apenas uma fração dos custos reais de energia, situação que Milei busca corrigir.

Para eliminar os subsídios excessivos e o controle artificial dos preços, Milei precisará implementar aumentos significativos nas tarifas de serviços públicos, um passo necessário para restaurar a estabilidade econômica a longo prazo. Embora seja uma melhoria específica, não devemos esquecer que o peronismo fez das compras básicas uma provação na Argentina.


Siga-nos no Google News Portal CM7