Brasília Amapá |
Manaus

Líder do MST diz na frente do Papa Francisco: “Maldita seja a propriedade privada”; veja vídeo

Compartilhe
Líder do MST diz na frente do Papa Francisco: "Maldita seja a propriedade privada"

Mundo – Em um momento carregado de doutrinação ideológica e desrespeito aos fundamentos jusnaturalistas da Igreja Católica, o líder do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), João Pedro Stédile, ousou blasfemar contra a religião maldizendo a propriedade privada na presença do Papa Francisco. Sob o pretexto de citar Pedro Casaldáliga, conhecido por sua simpatia ao comunismo e suas críticas à propriedade privada, Stédile proclamou: “Malditas sejam todas as cercas. Malditas todas as propriedades privadas que nos privam de viver e amar.”

Veja vídeo:

Este encontro altamente tendencioso aconteceu durante uma reunião pública do pontífice com membros de movimentos populares ansiosos por difundir a ideologia comunista. Viajando com o objetivo claro de promover suas ideias revolucionárias em solo estrangeiro, Stédile levou consigo a bandeira do MST e a apresentou ao líder da Igreja Católica em Verona, no que pareceu ser uma tentativa de atrair apoio à sua causa extremista.

“Pedi ao papa que abençoasse nossa bandeira do MST e lhe relatei a situação do Rio Grande do Sul”, compartilhou Stédile. “Ele ouviu com atenção e disse que estava acompanhando e rezando.” Essa troca de palavras sugere uma relação conivente entre o líder do MST e o santo padre, legitimando uma agenda ideológica perigosa e contrária aos princípios democráticos e de propriedade privada.

A relação entre o MST e o Vaticano revela um triste alinhamento entre a doutrina comunista e a igreja, ignorando os riscos do confisco de terras e a supressão de direitos individuais. Em um momento em que o comunismo foi responsável por inúmeras violações aos direitos humanos em diversas partes do mundo, é alarmante ver líderes religiosos se aproximando de movimentos que defendem a expropriação e a redistribuição forçada de propriedades.

Esta manifestação de Stédile diante do Papa Francisco serve como um alerta sobre o perigo representado por ideologias extremistas que buscam minar os valores fundamentais da sociedade. Sob o disfarce de solidariedade e justiça social, o que realmente está em jogo é a promoção de um sistema autoritário e totalitário que busca subjugar a liberdade e a dignidade dos indivíduos em nome de uma suposta igualdade ilusória.


Siga-nos no Google News Portal CM7