Brasília Amapá |
Manaus

Brasil está estagnado em índice de corrupção global, diz ONG Internacional

Compartilhe
Brasil está estagnado em índice de corrupção global, diz ONG Internacional

Mundo – O índice de percepção da corrupção, da ONG Transparência Internacional, afirma que “o Brasil teve uma década perdida no combate à corrupção”. De acordo com o relatório anual divulgado nesta 3ª feira (31), desde 2012, o país perdeu 5 pontos e caiu 25 posições no ranking global.

Veja documento:

Transparência Internacional_pdf

Em uma escala de 0 a 100, o Brasil marcou 38 pontos. A mesma nota foi obtida nas duas edições anteriores do relatório. Apesar de a pontuação ser a mesma desde 2020, o país passou da 96ª para a 94ª colocação entre os 180 países e territórios avaliados. Isso porque a percepção da corrupção piorou em outros locais.

Criado em 1995, o índice é composto por 13 pesquisas e avaliações produzidas por instituições internacionais a respeito da percepção da corrupção no setor público dos países.

Segundo a ONG, no Brasil, “o resultado reflete o desmanche acelerado dos marcos legais e institucionais anticorrupção que o país havia levado décadas para construir”.

Entre os pontos destacados no documento estão:

A emenda de relator; A pulverização da corrupção nos municípios; Os questionamentos ao sistema eleitoral; O sentimento de impunidade depois das constatações da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid no Senado; O desmanche de políticas ambientais e de proteção aos povos indígenas; O avanço de movimentos considerados antidemocráticos e ataques às instituições; A disseminação de notícias falsas e ataques a jornalistas; A atuação da PGR (Procuradoria Geral da República); A exacerbação do papel do STF (Supremo Tribunal Federal) e do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), e a violação de garantias processuais e direitos individuais.

Na comparação global, o país ficou empatado com a Argentina, Etiópia, Marrocos e Tanzânia.

No topo da lista de países menos corruptos estão: Dinamarca (90 pontos), Finlândia e Nova Zelândia (87 pontos), Noruega (84 pontos) e Singapura e Suécia (83 pontos). Na outra ponta, aparecem: Somália (12 pontos), Síria e Sudão do Sul (13 pontos) e Venezuela (14 pontos).

O resultado do índice de 2022 coloca o Brasil abaixo da média global, que é de 43 pontos. O país também tem resultado inferior à média dos Brics (grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), que é de 39 pontos; da média regional para a América Latina e o Caribe, que é de 43 pontos; da média dos países do G20, que é de 53 pontos e; da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), que é de 66 pontos.

O documento listou 25 propostas para a prevenção e combate à corrupção. Entre elas, a regulamentação do lobby, a instituição de uma lista tríplice vinculante para a nomeação do procurador-geral da República, a criação de quarentena para a candidatura eleitoral de integrantes do Judiciário, Ministério Público, Forças Armadas e polícias, a proteção de testemunhas dispostas a falar, e recuperação do sistema de proteção ambiental.

Siga-nos no Google News Portal CM7