Manaus 32º
quinta-feira - 17 de fevereiro de 2022

Padre é preso pela Polícia Civil acusado por estupros de adolescentes

Compartilhe

Brasil – O padre Nelson Koch, de 54 anos,  foi preso pela Polícia Civil,  em cumprimento a  mandado de prisão decretado pela Justiça,  sob acusação  de estupro. Segundo as investigações,  ele é suspeito de abusar sexualmente de crianças e adolescentes. A prisão foi executada nesta quinta (17), em Sinop.

As ordens judiciais foram deferidas pela 2ª Vara Criminal de Sinop, após representação da Polícia Civil com base em fatos apurados que apontam os atos praticados pelo religioso.

Além da prisão, a equipe da Delegacia Especializada de Defesa da Mulher, Criança e Idoso de (DEDMCAI) cumpriu mandado de busca e apreensão domiciliar no endereço do investigado, uma chácara na zona rural de Sinop.

O padre é da Paróquia São Cristóvão. Em 2008, Nelson tentou ser candidato a vice-prefeito em Sorriso, mas desistiu após negativa da igreja. E em 2004 chegou a concorrer o cargo de prefeito, mas perdeu para Dilceu Rossato.

De acordo com o delegado Pablo Bonifácio Carneiro, a mãe de uma vítima procurou o plantão da Polícia Civil e declarou que seu filho, de 15 anos, trabalha desde o ano passado na igreja liderada pelo religioso e teria sofrido abusos sexuais praticados em diferentes períodos.

Posteriormente, mãe e filho foram ouvidos na delegacia especializada. Em depoimento especial, conforme prevê a legislação, o adolescente confirmou os abusos sexuais e descreveu que o investigado cometeu os supostos atos criminosos quando o menor de idade tinha 7, 13 e 15 anos.

Outro adolescente, de 17 anos, também ouvido pela Polícia Civil, confirmou que o religioso teria, nos últimos três anos, sem a sua anuência, praticado ato libidinoso com o objetivo de satisfazer a própria lascívia, caracterizando o crime previsto no artigo 215-A do Código Penal.

O delegado destaca que em uma das oitivas, uma das vítimas informou que o religioso, mesmo de forma velada, o ameaçou dizendo que é uma pessoa de influência. “Desta forma, acreditamos que a segregação da liberdade do suspeito irá encorajar outras eventuais vítimas que ainda não tiveram coragem de denunciar”, pontou o delegado Pablo Carneiro.

A Polícia Civil também representou pelo afastamento do sigilo de dados e pela autorização de acesso e extração de dados contidos em dispositivos eletrônicos apreendidos na casa do suspeito, que serão analisados pela equipe da delegacia especializada.

Vitória Supermercados