Brasília Amapá |
Manaus

Homem que matou patroa e abandonou corpo em carro no HPS 28 de Agosto, é condenado em Manaus

Compartilhe

Manaus –  Jeferson Borges de Souza foi condenado a 18 anos de prisão pelo assassinato da própria patroa. Andreia Defaveri Vasconcelos foi encontrada morta dentro de um carro no estacionamento do Hospital e Pronto-Socorro 28 de Agosto, localizado na avenida Mário Ypiranga, bairro Adrianópolis, zona Centro-Sul de Manaus.

O crime ocorreu no dia 3 de janeiro de 2020 na rua Raimundo Nonato, Ponta Negra (próximo ao Condomínio Weekend), zona Oeste de Manaus, mas o corpo de Andreia foi encontrado em outro lugar. Segundo a denúncia do Ministério Público, Jeferson trabalhava para a vítima praticando agiotagem.

Na data do crime, ele conduzia uma motocicleta e encontrou-se com Andreia, que dirigia um veículo Honda Civic. Na sequência, entrou pela porta de trás do veículo da vítima, sentando-se no banco traseiro. De acordo com o interrogatório, houve uma discussão sobre a forma de cobrança do dinheiro proveniente da agiotagem, quando o acusado pegou um cordão, passou em volta do pescoço da vítima e puxou com força para trás. Andreia morreu asfixiada.

Ainda conforme a denúncia, após matar Andreia, Jeferson assumiu a direção do veículo e o conduziu até o estacionamento do Hospital e Pronto-Socorro 28 de Agosto, na zona Centro-Sul, onde abandonou o carro, com o corpo da vítima dentro, tendo trancado o veículo e jogado as chaves fora. Para retornar à rua em que havia deixado a sua motocicleta, na zona Oeste, ele contratou o serviço de um mototaxista, que o transportou até as proximidades do Condomínio Weekend.

Utilizando imagens de câmeras de segurança e depoimentos de testemunhas, a Polícia Civil chegou ao acusado, que foi preso em seguida, quando confessou o crime.

Em plenário, depois da oitiva das cinco testemunhas arroladas pelas partes e do interrogatório do réu, tiveram início os debates, com a promotora de justiça pedindo a condenação pelo crime de homicídio qualificado – como incurso nas penas previstas no art. 121, parágrafo 2.º, incisos II (por motivo fútil), III (asfixia) e IV (e uso de recurso que impossibilitou a defesa da vítima). A defesa do réu, por sua vez, sustentou como tese defensiva principal a desclassificação do crime e o privilégio, bem como a retirada das qualificadoras. Durante seu interrogatório, Jeferson Borges confessou ter matado Andreia Vasconcelos, assim como havia feito na fase de inquérito e também na audiência de instrução de julgamento.

Após os debates, os jurados votaram pela condenação de Jeferson, acolhendo as três qualificadoras constantes da denúncia apresentada pelo Ministério Público e da sentença de pronúncia proferida pelo Juízo da 2.ª Vara do Júri. Com a condenação pelo Conselho de Sentença, a magistrada presidente da sessão aplicou a pena de 18 anos de reclusão, em regime inicial fechado. Na sentença, a juíza Ana Paula determinou a execução provisória da pena e o réu, que estava preso desde a época do crime, não terá direito de recorrer em liberdade.

Foto: Raphael Alves

*Com informações do TJAM*. 


Siga-nos no Google News Portal CM7