Brasília Amapá |
Manaus

Ex-namorado de ‘carimbador de HIV’ quebra o silêncio e teme a própria vida em Manaus; veja vídeo

Compartilhe

Manaus – Leandro Rodrigues, ex-namorado de Rodrigo Santos, o suspeito de abuso sexual e de infectar crianças com HIV propositalmente, publicou um vídeo nas redes sociais contando o que vem enfrentando desde a prisão de Rodrigo na última sexta-feira (10).

Em seu depoimento, Leandro afirma estar sendo acusado injustamente de crimes dos quais não tinha conhecimento. Ele assegura que desconhecia as ações criminosas de Rodrigo, que mantinha um relacionamento extraconjugal com Victor Hygor, também preso por suspeita de práticas semelhantes. Desde que o caso veio à tona, Leandro relata ter sido alvo de ataques na internet pot ter sido associado como um dos abusadores.

“Estou sendo acusado de algo que eu não fiz e que eu não sabia. Chegaram no meu trabalho e prenderam o Rodrigo por essas coisas que eu não sabia que estavam acontecendo. Minha vida está um caos, eu estou sendo ameaçado e tem muita gente xingando a minha família. É algo que eu nunca pensei que iria passar na minha vida”, relatou Leandro.

O jovem revelou que já registrou um boletim de ocorrência e está aguardando as investigações da Polícia Civil do Amazonas. Ele também mencionou que sua imagem está sendo compartilhada de forma equivocada nas redes sociais, reforçando que as mensagens criminosas trocadas com Rodrigo eram, na verdade, de Hygor e não suas.

Veja o vídeo:

O caso

A delegada Joyce Coelho, titular da Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (DEPCA), explicou que as investigações começaram há cerca de dois anos, após uma denúncia anônima. O denunciante informou que uma assistência técnica em Manaus havia acessado um aparelho celular contendo mensagens de cunho pornográfico infantil.

“O denunciante teve acesso a diálogos entre Rodrigo e Victor Hygor que discutiam sobre os supostos estupros e também sobre serem pessoas vivendo com o HIV. Dessa forma, eles intencionalmente cometiam esses abusos com o objetivo de transmitir o vírus”, explicou a delegada em coletiva na semana passada.

Segundo a delegada, a investigação revelou que os suspeitos tinham preferência por crianças do sexo masculino e discutiam abordagens em locais públicos e privados, como banheiros de shoppings. A operação foi considerada bem-sucedida e a materialidade do crime já está configurada, afirmou Joyce Coelho.

O caso continua a ser investigado, e as autoridades pedem que qualquer pessoa com informações relevantes entre em contato com a Polícia Civil do Amazonas.


Siga-nos no Google News Portal CM7