Brasília Amapá |
Manaus

Caso Djidja: Funcionário da clínica Maxvet tem prisão domiciliar concedida pela Justiça

Compartilhe

Manaus – Nesta quarta-feira (19), a Justiça do Amazonas decidiu converter a prisão preventiva de um dos funcionários da Clínica Veterinária Maxvet em prisão domiciliar. A medida foi aplicada a um dos envolvidos no caso que gira em torno da suspeita de fornecimento ilegal de Ketamina pela clínica.

Emicley Araujo e Savio Soares, funcionários da Maxvet, foram presos no dia 7 de junho por suspeita de auxiliarem o médico veterinário e proprietário da clínica, José Máximo, na ocultação de provas que indicariam o fornecimento do anestésico Ketamina à família de Djidja Cardoso. Djidja, ex-sinhazinha do Boi Garantido, foi encontrada morta no dia 28 de maio, com suspeita de overdose do medicamento.

A decisão judicial não especificou qual dos dois funcionários recebeu a medida de prisão domiciliar. Segundo a determinação, o indivíduo em questão deverá cumprir medidas cautelares, incluindo o uso de tornozeleira eletrônica, até o fim das investigações.

Este caso continua a ser investigado pelas autoridades, que buscam esclarecer as circunstâncias do fornecimento de Ketamina e sua relação com a morte de Djidja Cardoso.


Siga-nos no Google News Portal CM7