Manaus

Após morte do chefão do tráfico ‘Gogonha’, polícia faz operação na Praça 14

Compartilhe

Manaus – Após a morte do líder do tráfico de drogas na Praça 14, o criminoso conhecido como ‘Gogonha’, os ânimos do crime no bairro têm estado muito alterados, supostamente motivados pela disputa de quem será o novo ‘chefão’ da localidade. Para repreender isso, o operação “Pororoca” foi estendida para a zona Sul de Manaus. Barreiras policiais foram montadas nas ruas e na orla fluvial.

“A operação tem o objetivo de fazer repressão qualificada na zona sul, onde existe um grande número de tráfico de drogas, reprimindo esse ambiente. Devido à morte de um possível líder de facção na praça 14, final de semana passada, o levantamento de Inteligência indicou que poderia haver algum acerto de contas e brigas entre facções e, por isso, o sistema de segurança desencadeou a operação”, afirmou o subcomandante geral da Polícia Militar, coronel Álvaro Cavalcante.

A Operação Pororoca 2 ocorre de maneira integrada entre as polícias Civil e Militar, com base no trabalho de inteligência da Secretaria Executiva Adjunta de Inteligência (Seai). Participam tropas como a Rocam, CPE, CPA-Sul, Força Tática, Batalhão de Trânsito, canil, Comando de Policiamento Ambiental e o Departamento de Repressão ao Crime Organizado (DRCO).

Homicídio

‘Gogonha’ foi alvo de emboscada na tarde de sábado (4), no bairro Praça 14, na Zona Sul de Manaus. Ramerson Albuquerque de Oliveira, de 33 anos, foi surpreendido por homens armados na avenida Tarumã e atingido com cinco tiros. Ele morreu em um hospital na capital. A Polícia Civil suspeita que a disputa pela comercialização de entorpecentes tenha motivado o crime.