Manaus

“Não estão fazendo filhos”: Japão fica “à beira do colapso social” após queda na taxa de natalidade

Compartilhe
"Não estão fazendo filhos": Japão fica "à beira do colapso social" após queda na taxa de natalidade

Mundo – O primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, falou em termos desesperados sobre a taxa de natalidade do país em um discurso ao parlamento de seu país nesta segunda-feira (23).

“É agora ou nunca, quando se trata de políticas relativas a nascimentos e criação de filhos, é uma questão que simplesmente não pode esperar mais”, disse o primeiro-ministro. “O número de
nascimentos caiu para abaixo de 800.000 no ano passado.”

“O Japão está prestes a descobrir se pode continuar a funcionar como uma sociedade”, acrescentou.

Para uma perspectiva, o Japão experimentou quase 2 milhões de nascimentos por ano durante a década de 1970.

Embora a nação insular asiática tenha uma população de aproximadamente 125 milhões, sua pirâmide demográfica está envelhecendo rapidamente. Apenas Mônaco, a cidade-estado da Riviera Francesa, tem uma proporção maior de residentes com 65 anos ou mais.

O aumento do custo de vida e a baixa imigração dificultam a capacidade do Japão de elevar sua taxa de natalidade atrasada.

Apenas 3% da população do país é estrangeira, em comparação com mais de um quarto dos americanos.

Kishida prometeu dobrar os gastos associados a iniciativas relacionadas a crianças e anunciou a criação de uma nova agência governamental encarregada de lidar com o problema.

“Focalizar a atenção nas políticas relativas às crianças e à educação infantil é uma questão que não pode esperar e não pode ser adiada.”

Os demógrafos usam a medida de uma taxa de reposição ou fertilidade, o número médio de filhos nascidos de cada mulher, para avaliar a saúde de uma sociedade. Quando a taxa de fertilidade cai abaixo de 2,1, uma sociedade começa a encolher.

Em 2020, o Japão registrou uma taxa de fertilidade de 1,34. No mesmo ano, uma equipe de pesquisadores projetou no Lancet que a população do Japão diminuiria para pouco mais de 50 milhões até o final do século.

O Japão está entre uma lista crescente de nações do Leste Asiático que devem enfrentar graves problemas demográficos nas próximas décadas.

Na última terça-feira, o governo chinês publicou dados demográficos que mostram que a população do país havia diminuído em relação ao ano anterior, pela primeira vez em seis décadas. A notícia surpreendeu muitos acadêmicos que projetavam que a China não experimentaria uma queda tão vertiginosa nesta década.

“Acho que não existe um único país que tenha caído tanto quanto a China em termos de taxa de fertilidade e depois se recuperado para a taxa de reposição”, disse Philip O’Keefe, professor da Universidade da Califórnia, em Irvine, e especialista em demografia, ao New York Times. A Índia está prestes a se tornar o país mais populoso do mundo em 2023.

Créditos: Gazeta do Povo