Brasília Amapá |
Manaus

Ex-namorada de Evo Morales na prisão: ‘Tenho que lutar pelos meus filhos’

Compartilhe

LA PAZ — Presa em uma prisão da região metropolitana de La Paz, a ex-namorada de Evo Morales, Gabriela Zapata, contou ao jornal “El Deber” que seus dias atrás das grades têm sido difícil, mas que consegue força ao pensar nos filhos. Essa é a primeira vez que ela se pronuncia depois de que foi detida na sexta-feira acusada de tráfico de influências, mas evitou falar sobre seu caso com o presidente e sobre o filho dos dois, que primeiro tinha sido dado como morto, mas depois sua família revelou que o menino Ernesto Fidel está “vivo e bem”.

— Me sinto triste, mas tenho que lutar pelos meus filhos — disse a empresário ao jornal “El Deber” entre lágrimas. — Peço a todas as mães que me ajudem por favor.

A empresária de 28 anos apareceu para ser entrevistada maquiada, com cílios postiços e sem as roupas normalmente usada por detentas, mas sua feição triste não esconde a confusão que virou sua vida nos últimos dias. Ela enfrenta acusações de tráfico de influência, enriquecimento ilícito e de ter se beneficiado da relação com o presidente para conquistar contratos comerciais para sua empresa, a chinesa CAMC.

Depois que no mês passado um jornalista revelou seu romance com Morales e disse que os dois tiveram um filho juntos, Gabriela virou alvo da imprensa e virou assunto popular. O escândalo custou a Morales a derrota no referendo em que pleiteava a possibilidade de disputar um quarto mandato à frente de La Paz.

Nesta semana, a tia de Gabriela, Pilar Guzman, disse que o menino está vivo, afirmando que ele será apresentado à imprensa internacional quando for conveniente. Ela ainda disse que Gabriela deseja se manter próxima da mídia por medidas de segurança — embora não tenha explicado se sofre alguma ameaça.

Morales, que afirmou não manter contato com a ex-namorada desde o falecimento do filho havia afirmado, se mostrou surpreso com as notícias de que o menino estaria vivo e pediu que a ex-namorada o entregue às autoridades em um prazo de cinco dias. Ele também prometeu cuidar “com alegria” se a encontrasse viva. Mas a medida não foi suficiente para evitar as críticas ao presidente nas redes sociais.

Siga-nos no Google News Portal CM7