Brasília Amapá |
Manaus

Brig4 por causa de varal termina com casal de noivos sendo m0rto por inquilino; veja vídeo

Compartilhe
Brig4 por causa de varal termina com casal de noivos sendo m0rto por inquilino; veja vídeo

Mundo – Em um caso chocante, uma disputa trivial por causa de um varal terminou em tragédia em Phnom Penh, capital do Camboja. Oknha Srey Sina, 50 anos, e dois cúmplices foram levados ao Tribunal Municipal de Phnom Penh na tarde de 19 de junho para interrogatório sobre um tiroteio que resultou na morte de um casal de noivos em 17 de junho na Comunidade Borey Peng Huoth Boeung Snor, no Camboja.

Veja vídeo:

Segundo Plang Sophal, porta-voz do tribunal, Sina e os outros dois suspeitos foram encaminhados ao tribunal para procedimentos legais adicionais, mas o interrogatório foi adiado para a manhã seguinte devido ao término do expediente.

De acordo com informações preliminares, o tiroteio foi motivado por uma disputa entre o inquilino de Sina e a família da vítima. Após o incidente, Sina fugiu em um carro, mas foi capturado poucas horas depois pela polícia distrital de Ang Snuol, na província de Kandal.

Sina confessou à polícia que ficou furioso com as vítimas, que supostamente o insultaram e o expulsaram de casa quando ele tentou interceder na disputa. “Eu intervim para permitir que meu inquilino instalasse um varal. Eles disseram: ‘Você vai embora. Vocês usavam sapatos na minha casa'”, relatou Sina, acrescentando que pediu respeito por ser mais velho.

As vítimas, Long Lysong, 27 anos, e sua noiva Khim Kanhchana, 26 anos, planejavam se casar em outubro deste ano. No entanto, o que começou como uma discussão acalorada rapidamente escalou para violência quando Sina, sentindo-se desrespeitado e ameaçado, sacou sua arma e atirou, resultando na morte do jovem casal e ferindo outras duas pessoas.

Chuon Narin, subchefe da Polícia Nacional e chefe da Polícia Municipal de Phnom Penh, lamentou o incidente, afirmando que a disputa entre vizinhos foi a razão inicial do tiroteio. “Isso não pôde ser evitado porque foi um caso de homicídio e tiroteio; não poderíamos saber com antecedência para evitá-lo”, explicou Narin.

Nas redes sociais, circularam notícias falsas afirmando que Sina havia sido liberado. Touch Sokhak, porta-voz do Ministério do Interior, desmentiu essas alegações, classificando-as como tentativas de causar agitação política. “A polícia criminal do [ministério] continua a trabalhar de acordo com os procedimentos profissionais… para construir um caso a ser enviado a tribunal sem violar o processo penal”, afirmou Sokhak.

Yong Kim Eng, presidente do Centro Popular para o Desenvolvimento e a Paz, criticou a agressividade de Sina, destacando que a intolerância e a impaciência levaram ao uso da violência. “A ignorância dos padrões morais de vida em sociedade pode levar as pessoas ao uso da violência, como evidenciado pelas ações da Oknha contra o jovem casal”, disse ele.

Kim Eng também questionou a posse de armas por particulares, sugerindo que a demonstração de poder pessoal e o orgulho egoísta de Sina contribuíram para a tragédia. Ele apelou para uma reavaliação da posse e gestão de armas no país, enfatizando que apenas indivíduos envolvidos na aplicação da lei deveriam ter o direito de portar armas.


Siga-nos no Google News Portal CM7