Brasília Amapá |
Manaus

Mães de crianças autistas fazem protesto contra a Samel pelo descaso no atendimento; veja vídeo

Compartilhe
Mães de crianças autistas fazem protesto contra a Samel pelo descaso no atendimento; veja vídeo

Manaus – Mães de crianças autistas realizaram protestos nesta tarde de sexta-feira (26) em frente ao Centro Médico Samel, localizado na Avenida Getúlio Vargas, no centro de Manaus, zona centro-sul. O motivo dos protestos é a dificuldade e o sofrimento enfrentados por elas para obter guias de encaminhamento para atendimento especializado em clínicas credenciadas.

Com cartazes em mãos, as manifestantes expressavam suas reivindicações, com mensagens como “Terapia não é consulta, é tratamento”, “Luta no Luto, respeitem nossos filhos”, “Queremos terapias ocupacionais”, “Sem resposta, sem respeito, sem tratamento” e “Se for de qualquer jeito, não gera resultados”.

As mães das crianças autistas também destacaram que alguns tratamentos só foram possíveis de serem obtidos por meio de liminares judiciais, enquanto outras mães conseguiram de forma administrativa. Elas ressaltam que não estão solicitando algo além do que a lei determina e afirmam que, mesmo com seus filhos incapazes de se expressarem, estão ali para serem suas vozes.

Uma das mães declarou: “A Samel pouco se importa, só conseguimos algumas guias depois de muito barulho e muito esforço porque nós não saímos daqui enquanto fosse resolvido, mas para muitos pais e mães não é assim. Fora que muitas destas guias não vão durar 10 dias”.

Veja vídeo:

O protesto teve como objetivo chamar a atenção da operadora de planos de saúde Samel para as dificuldades enfrentadas pelas mães de crianças autistas na obtenção de tratamentos adequados e especializados. As manifestantes exigem uma solução permanente para o problema e um maior respeito às necessidades das crianças autistas.

Até o momento, a Samel não emitiu nenhum comunicado oficial sobre os protestos ou as demandas apresentadas pelas mães das crianças autistas. O clima de insatisfação e revolta, no entanto, continua entre as manifestantes, que prometem persistir na luta pelos direitos de seus filhos.


Siga-nos no Google News Portal CM7