Brasília Amapá |
Manaus

Veja o que a falta de reconhecimento faz: funcionário demitido do Mercado Livre perde toda a esperança

Compartilhe

Brasil – Na última segunda-feira (19), o jovem Luís Felipe tirou a própria vida no prédio administrativo do Mercado Livre, na cidade de Cajamar, localizada na Grande São Paulo. O ato ocorreu após ele ser demitido da empresa.

Segundo informações preliminares, Luís Felipe era um funcionário exemplar. Colegas afirmam que o jovem fazia de tudo para que seu trabalho fosse realizado com excelência e costumava dizer que estava feliz por trabalhar na empresa.

Após saber do desligamento, Luís Felipe teria dito: “Não é possível, aqui é minha vida, vocês não podem me desligar assim”.

Na sequência, uma outra funcionária gritou: “Segura ele”. Neste momento, o jovem teria aberto a porta que dá acesso às escadas e se jogado do primeiro andar, onde fica a sala do RH.

O caso está sendo investigado pela Polícia Civil (PC). Além disso, há questionamentos sobre a falta de detalhes por parte de diversos funcionários, incluindo líderes e supervisores, sobre o comportamento do funcionário antes do ocorrido.

Conscientização sobre saúde mental 

No cenário do mundo corporativo, onde as pressões e demandas parecem incessantes, a saúde mental dos colaboradores tem sido colocada à prova de forma cada vez mais evidente. O caso de Luís Felipe, um profissional tão jovem que aparentemente amava o trabalho, ressalta a urgência de discutir abertamente questões que muitas vezes são abafadas pela imprensa e pela cultura do silêncio nas empresas.

A história ecoa a triste realidade de profissionais exaustos, emocionalmente fragilizados e submetidos a ambientes de trabalho tóxicos.

A cultura corporativa, muitas vezes centrada apenas na produtividade e no lucro, as vezes até sem querer negligencia a saúde mental dos colaboradores, perpetuando práticas condenáveis que afetam diretamente o bem-estar e a qualidade de vida de todos os envolvidos.

Diante desse cenário, é fundamental que empresas e líderes assumam a responsabilidade de criar ambientes que valorizem a saúde mental, oferecendo apoio, recursos e programas de assistência psicológica. Somente assim será possível construir uma cultura empresarial verdadeiramente humana e empática.

Centro de Valorização da Vida (CVV)

Para assistência emocional imediata, o CVV oferece um serviço gratuito e confidencial, disponível 24 horas por dia. O contato pode ser feito por e-mail, chat no site do CVV ou pelo telefone 188.

Canal Pode Falar

Este canal, uma iniciativa do Unicef, é dedicado a adolescentes e jovens entre 13 e 24 anos, oferecendo suporte por meio do WhatsApp. O serviço funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 22h.


...........

Siga-nos no Google News Portal CM7