Brasília Amapá |
Manaus

Revoltante: filho tem que levar a mãe de 93 anos acamada para banco realizar prova de vida e liberar INSS; veja vídeo

Compartilhe
Revoltante: filho teve que levar a mãe de 93 anos acamada para banco realizar prova de vida e liberar INSS; veja vídeo

Brasil – Um ato de desespero chamou a atenção na pequena cidade de Serra Preta, na Bahia. Cláudio Luis Figueiredo Mascarenhas, filho dedicado de Maria Marta de Jesus, uma idosa de 93 anos, foi flagrado em vídeo levando sua mãe acamada até uma agência do banco Bradesco. O motivo do grande esforço foi a necessidade de retirar o novo cartão de benefício social do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social). As imagens viralizaram nas redes sociais e provocaram indignação da comunidade contra o Banco Bradesco.

Veja vídeo:

A Odisséia da Dona Maria

No último dia 23 de agosto, Cláudio Mascarenhas, morador do distrito de Fazenda Poço Grande, enfrentou uma situação que considerou inaceitável. O cartão de benefício social da sua mãe, que vencera, deveria ter sido automaticamente substituído, como é prática comum em tais situações. No entanto, a realidade foi bem diferente.

Conversando com a equipe de reportagem do Acorda Cidade, Cláudio relatou que o novo cartão chegou à agência dos Correios da cidade e deveria ser encaminhado para a agência bancária. A idosa, por conta da idade avançada e de problemas de saúde, não poderia se deslocar para retirar o cartão pessoalmente.

Diante dessa situação, Cláudio buscou uma solução. Ele procurou o gerente da agência bancária para discutir a possibilidade de ele mesmo retirar o cartão e levá-lo para sua mãe assinar em casa, evitando o incômodo de levá-la até a agência.

O Desenrolar da Situação

No entanto, segundo Cláudio, o gerente se recusou a liberar o cartão. Ele alegou que a idosa deveria ir pessoalmente à agência para retirá-lo, ou então, Cláudio teria que pagar uma quantia considerável para fazer uma procuração e contratar uma ambulância para levá-la até outra cidade próxima, Irará, onde fica a agência do INSS em questão.

Para Cláudio, essa situação era inaceitável, uma vez que ele já tinha providenciado a confirmação da senha e a autorização da idosa para a retirada do cartão. A atitude do gerente, na opinião dele, criou um transtorno desnecessário e desumano.

“Ela não assinou em nada, outro funcionário me entregou a correspondência e me pediu somente para confirmar a senha, eu confirmei e ela ficou na maca parada no banco. Criou um transtorno desnecessário, porque o procedimento de confirmar a senha foi eu que fiz e ela não assinou nada. Ele não trouxe nem o papel para ela colocar o dedo,” explicou Cláudio. O cidadão revelou que não é o único morador da cidade a passar por essa situação. Outras pessoas em sua rua também enfrentaram desafios semelhantes com a mesma agência bancária.

A Posição do Banco Bradesco

Procurado pelo Acorda Cidade para se posicionar sobre o caso, o banco Bradesco lamentou a situação e esclareceu que segue as regras do INSS relacionadas à comprovação da prova de vida pelos beneficiários ou seus procuradores/representantes legais cadastrados no INSS. O banco afirmou que o problema foi resolvido com o cliente, mas não especificou como a situação foi solucionada.

Esse caso coloca em destaque a importância de políticas mais acessíveis e humanas para os idosos e pessoas com mobilidade reduzida, especialmente quando se trata de serviços essenciais como o INSS. A história de Cláudio e Dona Maria ressalta a necessidade de empatia e flexibilidade por parte das instituições em situações excepcionais como esta, onde a rigidez das regras pode causar transtornos desnecessários e desumanos. É um lembrete de que a sociedade precisa estar atenta às necessidades de seus idosos e mais vulneráveis, garantindo que tenham acesso digno aos serviços a que têm direito.


Siga-nos no Google News Portal CM7