|
Manaus

Professora de 71 anos morta por adolescente em atentado é velada em São Paulo

Compartilhe

São Paulo – Está sendo velado, nesta terça-feira (28), o corpo da professora Elisabete Tenreiro, de 71 anos, que morreu após ser esfaqueada por um aluno durante um ataque dentro da sala de aula que ocorreu ontem, segunda-feira (27). O velório ocorre no Cemitério do Araçá, na Zona Oeste da capital. O sepultamento está previsto para ocorrer às 12h, em cerimônia restrita aos familiares e amigos.

Elisabete teve uma parada cardíaca e morreu no Hospital Universitário da USP. Ela era professora de Ciências e atuava na unidade desde o começo do ano.

Leia mais: veja momento em que adolescente esfaqueia professoras durante atentado em SP

De acordo com informações do G1, a educadora se aposentou como técnica do Instituto Adolfo Lutz em 2020, mas continuou dando aulas de ciências. Era professora desde 2015 e começou a atividade na escola Thomazia Montoro neste ano.

Segundo uma das filhas, ela tinha a educação como missão e era querida pelos alunos das escolas por onde passou.

“Ela era uma pessoa dedicada a lecionar, como propósito de vida. Ela achava que ela tinha essa missão, em um país com tanta falta de educação, se ela pudesse mudar a trajetória de um aluno, ela já ganhava com isso. Ela era muito querida por onde ela passou.”

Em nota, a Associação dos Pesquisadores Científicos do Estado de São Paulo (APqC) lamentou a morte da professora.

“Aos 71 anos, Elizabeth estava dentro da sala de aula, defendendo a ciência, porque acreditava na transformação pela educação. A violência que tirou a vida de Elizabeth precisa ser discutida em suas causas, para que possamos construir uma cultura de paz na sociedade e evitar crimes como este. Hoje é um dia de muita tristeza, especialmente para a família de Elizabeth, mas também para todos os cientistas e servidores que conviveram com ela, por décadas, no Instituto Adolfo Lutz, órgão do Estado responsável por análises laboratoriais e pelo diagnóstico de doenças”.

Elisabete também fazia parte da escola de samba Tom Maior, cuidando da ala das crianças.

Em nota, a Toma Maior informou que está “enlutada” com a morte da Beth Moraes Barros, mais conhecida como Betinha, nesta segunda-feira (27/03/2023) após ocorrido na Escola Estadual Thomazia Montoro. Dona Beth, dedicou muitos momentos conosco, principalmente cuidando da nossa Ala das Crianças (atualmente ‘Tom do Futuro’)”.

“Em seus últimos anos de vida, sempre com muita alegria e energia, a mesma estava presente conosco em nossa Velha Guarda. Toda solidariedade para amigos e aos familiares”, continuou.

 

 

*Com informações do G1*

 

Siga-nos no Google News Portal CM7