Brasília Amapá |
Manaus

O Admirável Sertão de Zé Ramalho’ celebra a vida e a obra do artista paraibano em Manaus; vejas datas

Compartilhe

Amazonas – Com mais de 40 anos dedicados à composição, poesia e música, o artista paraibano Zé Ramalho terá sua extensa obra cantada e contada na mais nova produção idealizada por Eduardo Barata, “O Admirável Sertão de Zé Ramalho”, que estará em cartaz nos dias 26 e 27 de abril no Teatro Amazonas, em Manaus.

O musical, que tem patrocínio da Petrobras através do Programa Petrobras Cultural, festeja o cancioneiro do cantor e compositor, a literatura e os lugares retratados em sua trajetória. Eles ganham vida no palco através da dramaturgia de Pedro Kosovski e a direção de Marco André Nunes, mas não de forma tradicional e biográfica.

Nele, Zé, o personagem, existe somente nos números musicais, criando algo totalmente inédito. O elenco é diverso, possibilitando, desta forma, a abordagem de vários pontos de vista, contando muitas histórias dentro de uma só. “O espetáculo é uma homenagem a um grande brasileiro que levou para o mundo a força artística do Nordeste, com qualidade em sua realização e enorme potência criativa.

Com argumento simples, mas poético e reflexivo, assim como a música de Zé Ramalho, o texto apresentará personagens de referência na obra do homenageado – os retirantes, a seca, o vilão, os palhaços, etc.”, conta o produtor e idealizador do projeto, Eduardo Barata.

Adriana Lessa, Ceiça Moreno, Cesar Werneck, Diego Zangado, Duda Barata, Marcello Melo, Muato, Nizaj, Pássaro e Tiago Herz compõem o elenco do musical que se divide em 5 módulos: “Brejo da Cruz”, que apresenta as origens do artista; “Campina Grande”, sobre a cidade onde começou o interesse de Zé pela música; “João Pessoa” retrata momento lisérgico da vida do músico, quando ele começou realmente a compor; “Rio de Janeiro” apresenta a batalha por um lugar ao sol, passando pela fome até a prostituição, e “Popstar” representa o sucesso e a consagração do autor de clássicos como “Admirável Gado Novo”, “Garoto de Aluguel”, “Pedra do Ingá” e “Chão de Giz”, entre outros.

As próprias músicas revelam momentos da vida desse grande artista. Tudo carregado de simbolismo e metáforas, com uma estrutura de texto que complementa as letras do compositor. É uma oportunidade para entrar nas imagens que as canções evocam em cenas que apresentam recortes da trajetória de Zé Ramalho: desde a infância, até ele se tornar conhecido nacionalmente com o lançamento de ‘Admirável Gado Novo’. Tanto quem conhece quanto quem não conhece muito o músico vai poder observar as canções e ser tocado pelas experiências que ele viveu.

Adriana Lessa entrou na produção para substituir a atriz Léa Garcia, que nos deixou no ano passado, e homenageia a grande atriz. “Não tem como substituí-la, respeito demais o seu legado como artista para a nossa cultura. Então venho aqui com alegria, honra e humildade encarar essa missão. Trago elementos fortes da nossa ancestralidade, música e vibração dentro desse universo mágico do Zé Ramalho”, conta ela, que se divide em alguns personagens

Paraibano de Brejo do Cruz, Zé Ramalho se embrenhou na fonte da literatura de Cordel, do blues, do rock e do melhor do violão nordestino. Também é conhecido por sua contemporaneidade, produzindo poesia dentro da tradição musical nordestina, além de emoções e sentimentos universais na sua obra. Suas composições são tão abrangentes quanto o seu legado de influência sobre músicos e poetas.

Apelidado de Bob Dylan do sertão, o poeta, cantor, instrumentista e compositor Zé Ramalho foi influenciado pela Jovem Guarda. Misturou o estilo de Roberto e Erasmo Carlos, com a musicalidade do sertão, tendo como referência Pink Floyd, Beatles, Jackson do Pandeiro, Luiz Gonzaga, entre outros. Uma miscelânea de ritmos, sons, palavras e sensações, sem nenhum tipo de ranço vanguardista e ao mesmo tempo utilizando a tradição nordestina para construir e adaptar suas canções. Do amor ao esotérico, com toque de crítica. Do xote ao rock, sem ter medo da mais romântica balada. Este é Zé Ramalho. Da Paraíba, do mundo, da música. Sua obra se renova sem eliminar nada do que foi usado antes.


...........

Siga-nos no Google News Portal CM7