Brasília Amapá |
Manaus

Escândalo: Abraham Lincoln e seus 169 processos por licitações fraudulentas em hospitais no AM

Compartilhe

Amazonas –  Durante os últimos quatro anos, a população manauara enfrentou frequentes problemas no atendimento em hospitais, seja pela falta de equipamentos ou pela ausência de médicos, que alegavam dificuldades em realizar atendimentos devido à falta de recursos e pagamento. Por trás dessa situação, um esquema de corrupção envolvendo a falsificação de assinaturas para processos de licitação fraudulentos veio à tona, com graves consequências para a saúde pública.

Segundo denúncias, Abraham Lincoln, um empresário conhecido por suas práticas ilícitas, estaria utilizando “laranjas” para esconder a verdadeira propriedade de suas empresas e evitar a responsabilização por suas ações. Lincoln teria falsificado assinaturas para conseguir contratos milionários com hospitais como o SPA do Coroado, Hospital e Pronto-Socorro Platão Araújo e Maternidade Chapot Prevost, prejudicando gravemente a aquisição de equipamentos essenciais para o atendimento médico.

Lincoln, que acumula mais de 169 processos, é acusado de se beneficiar de apadrinhamento em órgãos fiscalizadores, o que facilita a continuidade de suas práticas corruptas. Segundo relatos, mesmo sem pagar os funcionários, quando a Secretaria de Saúde substitui a  MKN Serviços Empresariais, empresa supostamente ligada a Lincoln, ele usa seu apadrinhamento para obter liminares e reativar os contratos, sem prestar os devidos serviços. Esta prática tem deixado hospitais sem os funcionários necessários, comprometendo diretamente a administração dessas instituições e a saúde da população.

Em abril deste ano, Abraham Lincoln foi denunciado por falsificação de documentos particulares. A acusação contra ele já foi registrada em boletim de ocorrência, e a Polícia Civil do Amazonas está investigando o caso. O BO 00104967/2024, registrado na Delegacia Especializada em Crimes Contra a Fazenda Pública Estadual, detalha a acusação de falsificação de documentos e a abertura de um inquérito policial para apurar os fatos.

Veja:

Confira o documento clicando aqui


Siga-nos no Google News Portal CM7